10
fevereiro
2010

Pra quê simplificar?

Postado por em design

Vejo muito no dia-dia projetos complexos, cheios de recursos e ferramentas, câmeras, anúncios, controles remotos, celulares e um monte de aparelho eletrônico cheio de botões, pra que?

No livro As leis da simplicidade, John Maeda fala que de maneira geral a maioria das pessoas valorizam o que tem mais watts, mais espaço, mais botões. Quanto mais coisas, mais o consumidor vai achar que o preço daquilo realmente vale, sendo que 60% dos recursos não são utilizados e objetos extremamente simples, que não deixam de cumprir o seu papel acabam sendo desvalorizados devido aos “poucos recursos” ou por sua interface simples.

Mas isso está mudando, clientes estão começando a valorizar projetos limpos, objetivos e que fazem o que precisa ser feito: Ter uma bela e clara comunicação e uma boa funcionalidade!

É difícil vender um espaço em branco, mas o iPod venceu não pelo excesso, mas pela falta dele,  pela simplicidade e pela usabilidade que nenhum outro aparelho ousou ter. A simplicidade que se vê por fora não mostra o quão complexo foi o projeto e a tecnologia que deu origem ao sucesso que ele faz hoje.

É fácil fazer um site ou um produto complexo, mas é difícil, muito difícil criar algo simples.

Bom, postei aqui três vídeos divertidos que satirizam este dilema que todos os designers enfrentam no dia-dia: a complexidade.

Placa STOP

 

Make my logo BIGGER cream

 

 

Daí que vem a frase: “Pra quê simplificar se a gente pode complicar”, né? 😉

Receba a sua dose diária de irritação lendo:
Como enlouquecer um designer
Como enlouquecer um fotografo

Veja todos os posts sobre: